Gestão de Empresas

Compartilhe

0
Shares
0 0 0 0
empresario
2 de junho de 2020

Uma luz no fim do túnel: empresas crescem em meio a crise


Enquanto passamos pela pandemia do coronavírus, é difícil fazer uma previsão de como será o cenário econômico nos próximos meses. Vários institutos de pesquisas e organizações internacionais estão tentando calcular o impacto econômico do coronavírus. A Fitch Ratings, uma das principais agências de classificação de risco de crédito, divulgou um levantamento que aponta uma queda de 3,9% no PIB global.

Como o isolamento social provocou mudanças na rotina, o comportamento online é um dos principais fatores para entender quais setores foram mais e menos afetados. Na contramão da crise, já conseguimos identificar alguns segmentos que estão crescendo e superando o prejuízo econômico. As empresas com serviços que ajudam no trabalho em casa e no entretenimento estão se destacando em meio a crise.

Um dos grandes destaques deste ano foi o Zoom. A ferramenta de videoconferências e webinar se popularizou com a adoção do home office e a transferência das aulas para o ambiente virtual, saindo de 10 milhões de usuários em dezembro de 2019 para 200 milhões em março deste ano. Só no dia 1º de abril, foram realizadas mais de 25 milhões de reuniões de maneira online em todo o mundo pela plataforma.

As ações da empresa fecharam em US$150,25 no dia 22 de abril, enquanto, em janeiro, valiam apenas US$68. Outras ferramentas de videochamada também registraram aumento, e tudo indica que essa é uma tendência que se manterá em alta mesmo após a pandemia.

Outro setor que ganhou impulso são as ferramentas online para a prática de exercícios e a compra de equipamentos pela internet. O setor mostra um grande potencial, pois já estava em crescimento desde o ano passado. Apesar de muitas cidades já terem autorizado a abertura das academias, a maioria da população ainda não se sente segura para frequentar o ambiente.

A Centauro divulgou dados do seu ecommerce entre 20 de março e 13 de abril, e já podemos ter uma ideia de como a prática de exercícios físicos em casa já é uma nova realidade: a venda de apoios para flexão de braços cresceu 12.423%; de anilhas, 2.688%; dos halteres, 2.392%; de bicicletas para spinning, mais de 3.000%.

O terceiro setor que ganhou ainda mais destaque é o de deliverys de comida e supermercado. Com a alta demanda, visto que as pessoas estão em quarentena em casa, as plataformas como Ifood, Ubereats e Rappi tiveram que se preparar para o aumento da demanda, inclusive com a contratação de novos entregadores.

Com a consolidação do delivery para os consumidores que buscam comodidade e praticidade, restaurantes devem estar atentos para manter a sua operação saudável e, quem sabe, contar com uma plataforma própria para ter autonomia e satisfazer os clientes que desejam receber as suas refeições em casa.

Compartilhe:


Deixe seu comentário