Fotografia

Compartilhe

0
Shares
0 0 0 0
fotograf
6 de novembro de 2017

Fotografia de moda, de natureza, de gastronomia. Tudo isso só no Centro Europeu!


Aulas práticas refinam a técnica e a desenvoltura do aluno diante de imprevistos

Saída fotográfica para Morretes encanta alunos pela variedade de cliques possíveis

Finalmente, chegou a hora de colocar em prática o conhecimento adquirido. Depois de mapear tendências e aguçar a criatividade, há a oportunidade de passear por nichos específicos da fotografia. Composto por 16 módulos, o curso de fotografia do Centro Europeu atrai pela completude da abordagem. Entre os segmentos que mais motivam os alunos a praticarem estão a fotografia de moda, a de natureza e a de gastronomia.

Conforme detalha a supervisora dos cursos de fotografia e artes visuais da escola, Charly Techio, no módulo de fotografia de moda, por exemplo, os alunos experimentam o dia a dia da profissão ao lidarem com modelos produzidos pelos colegas do curso de moda, seja em estúdio, seja em locação. “Eles aprendem a fotografar editorial de moda para revistas e a explorar o estilo de vida para catálogos, algo vendido pelas grandes marcas”, explica.

Essa interdisciplinaridade também é colocada em evidência na fotografia gastronômica, com aulas na sede gourmet da escola, cujo curso de chef de cuisine foi o primeiro do Paraná. “Com pratos preparados por quem estuda gastronomia na escola, os alunos de fotografia montam toda produção de cenário, testando luz natural e artificial”, salienta Charly.

Outro módulo que costuma agradar muito os alunos e pode definir o rumo que desejam dar à própria carreira é o de fotografia de natureza. Com destino a Morretes, a saída fotográfica é, sobretudo, um momento de contemplação da fauna e da flora da mata Atlântica, com acesso tanto à mata aberta quanto a uma trilha fechada. Essa expedição, em especial, acontece na reta final do curso e sucede duas aulas teóricas.

“Eles ficam abismados em conseguir uma variedade tão grande de registros em tão pouco espaço. A natureza não tem nada de óbvio e saber explorar esse olhar, com técnica, é uma grande descoberta”, sintetiza a professora do módulo de fotografia da natureza, Priscila Forone.

O encontro com o inusitado também é recorrente nas demais experiências, contato que instiga os aprendizes a treinar a técnica, o manuseio dos equipamentos e, em alguns casos, o trato com quem é fotografado. Difícil é, depois disso tudo, não ser tomado pelo desejo de exercitar o olhar criativo ao fotografar. Quer mais detalhes do curso de fotografia? Entre em contato conosco!

Compartilhe:


Deixe seu comentário